quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Colegas e boa convivência





Olá, acho que faz quase uns dez dias que não posto nada desde o post de extréia do blog, o motivo na realidade é um pouco de preguiça e incerteza sobre o que escrever, fiquei na dúvida entre vários temas, como por exemplo, as olimpíadas fracassadas - para o Brasil claro porque para os EUA é um banho de medalhas, aliás como sempre - e outros temas que agora eu não me lembro no momento, de tão importantes que eram, enfim, deitada na minha caminha ouvindo um pouco de rock brasileiro (tihuana é rock né?) decidi escrever sobre uma coisa que surpreendentemente não tinha me incomodado tanto em outras fases da minha vida como agora: os ditos "colegas" e a boa convivência com eles, não sei se forçada - de um modo mais brutal- ou imposta, acho que imposta de modo circunstancial já que nunca é dito com todas as palavras ( ah não ser pela sua mãe, te dando uma bronca quando você acaba soltando pra vizinha que não gosta dela, ou dando a entender com todas as palavras que todo mundo sabe que a filha dela é meio vagabunda), e pensando bem a boa convivência juntamente com a hipocrisia e a falsa simpatia é algo que agente acaba aprendendo, meio que nas entrelinhas mesmo - claro dadas raras exceções de quando você e criado por alguém como a minha mãe que já deixa tudo bem claro, até demais...- e quando nos damos conta essa prática já e uma coisa banal que praticamos, e esperamos dos outros, do mesmo jeito que o resto das pessoas.



Acaba se tornando natural e visto como falta de educação se não praticada no grupo em questão, estranho, talvez seja pela nossa "vergonha" de nos mostrar e sermos autênticos que nos escondemos por trás dessa falsa moral, não me levem a mal eu sei e conheço pessoas que não se abatem com isso e falam mesmo e chegam até a ser meio chatas, mas infelizmente somos tão presos e paranoicos com nossos problemas que nos sentimos extremamente ofendidos quando uma pessoa dessa coloca as cartas na mesa conosco, de forma que realmente acaba atrapalhando o convívio entre essas duas pessoas, mas enfim girei, girei e acabei parando numa situação sem muita solução atualmente, hoje em dia se faz necessário essa falsa convivência onde somos simpáticos uns com os outros de forma, muitas vezes genérica, culminando em sempre termos vários colegas mas pouquíssimos ou nenhum amigo real.



Mas o que quero falar, e me perdi um pouco, é que eu não me importo com a quebra desse protocolo onde uma pessoa fala ou simplesmente deixa escapar ou o que acha de mim, muitas vezes por minhas atitudes, o que me irrita profundamente é a partir do momento em que esclareço para a determinada pessoa que realmente sou assim ou não sou, e o que fez com que ela pensasse assim muitas vezes foi uma interpretação errônea sobre minhas atitudes, ou apenas uma situação isolada, e essa pessoa não aceita isso de maneira nenhuma! Deu pra entender o que eu estou tentando dizer? Vou dar um exemplo prático, por um acaso do destino, um colega seu do trabalho vê você chapado de bebida e tira a conclusão precipitada que você e um pinguço, num certo momento a pessoa acaba soltando isso, e você com toda a paciência que deus te deu, explica, mesmo essa pessoa só sendo um COLEGA seu e você não devendo nenhuma explicação para ela, que aquilo foi uma besteira que aconteceu num show e que normalmente você nem é muito de beber, e mesmo assim com essa explicação super educada e simples, seu colega de trabalho não aceita e  tenta te mostrar que você e um alcoólatra inveterado e que você precisa aceitar isso.  Agora você que esta lendo esse texto me fala o que se fazer nessa situação? Sendo que a mesa desse colega e do lado da sua e ele senta todo o dia ali, o ideal seria mandar essa pessoa tomar no toba bem gostoso e dizer para ela parar de cuidar da sua vida e começar a cuidar da dela, por exemplo,  estudando, trabalhando em outro emprego ou em algo que deixasse ela ocupada o bastante para não ter tempo nem de ter desejar "bom dia", mas infelizmente você provavelmente como eu não faz isso e acaba tentando contornar a situação.



E agora que eu quero saber, esse excremento dessa pessoa quebrou o protocolo da boa convivência e ta te enchendo o saco pra cacete, mas você não pode a mandar sentar num cacete, por que isso? Quando vocês descobrirem por favor me contêm.